VERSOS A GIZ

poesia espalhada versos a giz

O nosso rei é padrinho... Bebamos à saúde dele E à nossa saúde! 
Que há três coisas que Deus proibiu
A fome, o frio, E um copo vazio!

In Baquica Medieval . Fernando Pessoa

Estabelecimentos comerciais com quadros de anúncios terão citações ou excertos de poemas de Pessoa durante os meses da FESTA 2018. Participam até este momento:.
À da Marta

In . O Guardador de Rebanhos . Alberto Caeiro

... quando num dia de calor 
Me sinto triste de gozá-lo tanto, 
E me deito ao comprido na erva, 
E fecho os olhos quentes, S
into todo o meu corpo deitado na realidade, 
Sei a verdade e sou feliz.

... when on a day of great heat 
I feel sad from enjoying it so much,
I lie stretched out on the grass 
And close my hot eyes, 
I feel that my whole body is stretched out in reality, 
I know the truth and I am happy.
Álvaro de Campos RestauranteÁlvaro de Campos Restaurante  

In . O Guardador de Rebanhos . Alberto Caeiro 

Penso com os olhos e com os ouvidos  
E com as mãos e os pés  
E com o nariz e a boca.  
Pensar uma flor é vê-la e cheirá-la   
E comer um fruto é saber-lhe o sentido... ... 

I think with my eyes and with my ears     
And with my hands and my feet      
And my nose and my mouth. 
To think a flower is to see it and smell it      
And to eat a fruit is to know its meaning.                                           

 

Artina

             In Saudação a Walt Whitman de Álvaro de Campos 

... 
Ah, o poema que te cantasse bem,
Seria o poema que todo cantasse tudo,
O poema em que estivessem todas as vestes e todas as sedas —
Todos os perfumes e todos os sabores
E o contacto em todos os sentidos do tacto 
de todas as coisas tangíveis.
Poema que dispensasse a música, música com vida,
Poema que transcendesse a pintura, pintura com alma

... Ah, a poem to sing you well,
Has to be a poem that, all of it, would sing everything,
A poem containing all dresses and silks -
All perfumes and flavors
And the contact, in every sense of touch, of all tangible things.
A 0oem that spared music, music with life,
A poem that transcended painting, painting with soul
BruncheBruncheria Taviraria Tavira 



Casa das PortasCasa das Portas Prendas e Decoração
In Fernando Pessoa Dr. Pancrácio Ilustríssimo Senhor

...Um presente eu desejara
Vos trazer, ou prenda rara
D'alguma casa estrangeira …

 I wish to bring you 
a rare gift 
from some far-away shop
Come na GavetaCome na Gaveta Gastrobar


In Tabacaria . Álvaro de Campos 

...Come chocolates pequena, come chocolates... Pudesse eu comer chpcolates com a mesma verdade com que comes... 

...Eat chocolats little one, eat chocolats little girl, eat chocolats... 
I wish I would eat chocolats with the same
thruth that you do...
Gilão Restaurante

Gilão RestauranteIn Tabacaria . Álvaro de Campos

Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.

I am nothing. 
I will always be nothing. 
I cannot wish to be anything. 
Apart from that, I have within me all the dreams of the world. 
Goji RestauranteGoji Restaurante

In Dobrada à Moda do Porto . Álvaro de Campos 

Um dia, num restaurante, fora do espaço e do tempo,
Serviram-me o amor como dobrada fria...
Não é prato que se possa comer frio... 

One day, in a restaurant, outside space or time,
They served me love as cold tripe...
It's not a dish that can be eaten cold,

 KOZII

In. Sem impaciência . Álvaro de Campos

... Sem impaciência. Sem curiosidade. Sem atenção. Vejo o crochet que com ambas as mãos combinadas fazes. Eu também tenho um crochet. Data de desde quando comecei a pensar... Malhas sobre malhas formando um todo sem todo. Um pano que não sei se é para um vestido ou p'ra nada. Uma alma que não sei se é para sentir ou viver...

...Without impatience. Without curiosity. Without attention. I see the piece of crohet you are making using both your hands. I too have a piece of crochet. It dates from when I began thinking ... Stitch by stich, making a whole without it being whole, a piece of fabric which could be for a dress or for nothing. I do not know. A soul which could be for feeling or for living ...
La Baguette Française de Tavira
                        
In Trois Chansons Mortes . Fernando Pessoa

... Mais je n’en fais que ce sourire 
Qui sommeille au fond de mes yeux — 
Lac froid qui, en vous voyant rire,
S’oublie en un reflet joyeux...

... Mas eu não mostro mais que este sorriso adormecido no fundo dos meus olhos - lago frio que se perde num reflexo de felicidade quando vê você sorrir...

Mercearia Conserveira

In Cantemos que a vida . Fernando Pessoa
Cantemos que a vida   De nada nos serve   Que em nós a garrida   Canção desmedida   De vinho referve! 

Cantemos, cantemos,   É medrosa a dor   E pegando em remos,   Buscando-as iremos   Às praias do amor! 

Cantemos as belas   Que sabem amar,   Vamos que as estrelas,   Sem pudor ou cautelas   Nos vêm escutar! 

Let's sing because life Does not do us any good  Because in us the merry  Immoderate song Of wine bubbles up! 

Let's sing, let's sing,  Pain is timorous And taking up the oars  Let's go looking for them Those shores of love! 

Let's sing the beautiful  Who know how to love.  Come on so the stars  Without modesty or caution  Come to listen to us!
nó de gostoNó de Gosto Restaurante

In Baccanalia . Fernando Pessoa


... há três coisas que Deus proibiu -
A fome, o frio,
E um copo vazio!


...There are three things that God has forbidden,
Hunger, cold,
And an empty glass.

... Não falte trigo p'ra semente,
Remédio ao doente,
Nem vinho à gente!

---May we not lack wheat for planting,
Or cures for the sick,
Or wine for the people.

Punjab Palace

In Aniversário . Álvaro de Campos

Comer o passado como pão de fome, 
sem tempo de manteiga nos dentes! 
Vejo tudo outra vez com uma nitidez que me cega para o que há aqui... 
A mesa posta com mais lugares, com melhores desenhos na loiça, com mais copos, 
O aparador com muitas coisas — doces, frutas, 
o resto na sombra debaixo do alçado —
As tias velhas, os primos diferentes, e tudo era por minha causa,
No tempo em que festejavam o dia dos meus anos...

Wolfing down the past like bread in a famine, 
without time for the butter to touch the teeth!
I see everything again with a clearness that blinds me to what there is here ...
The table set with more places, with finer designs on the crockery, with more glasses,
The sideboard loaded with many things – sweets, fruit, 
the rest in shadow under the  overhang –,
The old aunts, the different cousins, and iall that was because of me,
When they celebrated my birthday ...


Távila Café 2Távila Café

In CANTEMOS QUE A VIDA . Fernando Pessoa

Cantemos que a vida
De nada nos serve
Que em nós a garrida
Canção desmedida
De vinho referve!

Let's sing because life
Does not do us any good
Because in us the merry
Immoderate song
Of wine bubbles up!