DANÇAR POESIA | LIBERDADE Poemus com Yuko Kominami & Tomás Tello

SEX 28 OUT| 18h30 |  Biblioteca Municipal Álvaro de Campos 
organização Casa Álvaro de Campos e Yuko Kominami 

… O mais do que isto É Jesus Cristo, Que não sabia nada de finanças Nem consta que tivesse biblioteca…

In LIBERDADE, Fernando Pessoa …
… more than this It’s Jesus Christ, Who didn’t know anything about finances And never had a library… In FREEDOM , Fernando Pessoa

Este ano, para o POEMUS inserido na FESTA DOS ANOS, Yuko Kominami e escolheu dançar o poema Liberdade.

Segundo Richard Zenith, “esse poema é uma rapsódia à espontaneidade, à ostentação de obrigações e ao gozo desenfreado do que quer que seja o prazer de alguém…”

This year, for POEMUS as part of the BIRTHDAY PARTY, Yuko Kominami chose the poem Freedom.

According to Richard Zenith, “this poem is a rhapsody to spontaneity, the ostentation of obligations and the unbridled enjoyment of whatever one’s pleasure is… “

A intenção da artista é deixar de lado qualquer viés político, e mesmo qualquer autocrítica que o poeta pudesse estar fazendo à sua própria profissão de homem de letras. a

Antes prefere a bailarina e coreógrafa focar-se nas frases, que definirão o fio condutor de inspiração para o projeto coreográfico-musical.

The artist’s intention is to put aside any political bias, and even any self-criticism that the poet might be making of his own profession as a man of letters.

Rather, the dancer and choreographer prefers to focus on the phrases, which will define the guiding thread of inspiration for the choreographic-musical project.

Para Yuko Kominami, o poema defende o direito de ficar ocioso, perseguir objetivos inúteis, ler ou não ler, dançar ou não dançar, estar em liberdade no mundo. A última estrofe não é uma profissão de fé religiosa, mas um tributo à liberdade personificada por Jesus Cristo, que desprezou regras e regulamentos e pregou o desapego das coisas materiais.

For Yuko Kominami, the poem defends the right to be idle, to pursue useless goals, to read or not to read, to dance or not to dance, to be free in the world. The last stanza is not a profession of religious faith, but a tribute to the freedom personified by Jesus Christ, who despised rules and regulations and preached detachment from material things.

%d bloggers like this: