ENTRE-TANTO

Sala Guilherme Camacho da Biblioteca Álvaro de Campos
SEX 19 – Out, SAB 20 e SEG 21 Out às 18h30                                                                                                                                                                                                                                  Poderemos criar em segunda mão  — imaginar em nós um poeta a escrever,  e ele escrevendo de uma maneira, outro poeta entretanto escreveria de outra…                                                                                                                                                                                              In Livro do Desassossego. Fernando Pessoa                                                                                                                                                                                                   Um espetáculo multimédia que combina poesia de Álvaro de Campos dita por Eduardo Vaz, uma seleção musical interpretada no cello por Muriel Piquart e na guitarra e percussão por Jirina Nebesa, e imagens projetadas de Jirina Nebesa e Miguel Proença.

“Que sei eu do que serei, eu que não sei o que sou? Ser o que penso? Mas penso ser tanta coisa! E há tantos que pensam ser a mesma coisa que não pode haver tantos!”     Entre tantos , Pessoa desbravava o todo múltiplo.                                                                                                                                        “Eu vejo diante de mim, no espaço incolor mas real do sonho, as caras, os gestos de Caeiro, Ricardo Reis e Álvaro de Campos.                                                                                                                                  … ouvi, dentro de mim, as discussões e as divergências de critérios, e em tudo isto me parece que fui eu, criador de tudo, o mens que ali houve.”                                                                                          Entretanto Campos clamava:                                                                                                                                        “Sou o intervalo entre o que desejo ser e os outros me fizeram, ou a metade desse intervalo, porque também há vida…”                                                                                                                                                  e ambicionava:                                                                                                                                                                        “Quem dera que houvesse                                                                                                                                             Um terceiro  estado para a alma, se ela tiver só dois…”                                                                                         e interrogava:                                                                                                                                                                  “Para que hei de ser sempre eu se eu não posso ser quem sou…” (?)

ENTRE- TANTO tenta capturar o sentido desta inquietude combinando a poesia de Álvaro de Campos, com música (Muriel Piquart) e imagem (gravura de Jiřina Nebesa e fotografia de Miguel Proença).

 

Eduardo Vaz – poeta e divulgador de poesia – performance Entre-Tanto

foi professor, gestor de programas de desenvolvimento social, económico e cultural em Portugal, na União Europeia e em África, diplomata (Serviço Europeu para a Ação Externa). Estudou Economia (ISE), Sociologia (ISCTE) e Interpretação Dramática (IFICT). Manifesta-se através da escrita, da música e, sobretudo, através da partilha dos encontros. Autor da recolha de poemas “teu, e.” (2009).

Jiřina Nebesa – Música e Artista Plástica– performance Entre-Tanto e exposição Coisa Real Por Dentro

Música (cantora e guitarrista) e artista plástica, nutrida pelas escolas de expressões pictóricas, JIŘINA NEBESA utiliza a pintura a fim de restituir a qualidade e intensidade das impressões/marcas da realidade que se impõem aos seus sentidos, dos países onde morou ou visitou – Chade, Etiópia, Marrocos, Tunísia, Islândia, Estados Unidos, Portugal, Espanha, França, Boémia natal. Paisagens, as vistas do solo ou do ar, mapas, diagramas científicos, música, poesia são a matéria-prima das suas obras.

Miguel Proença . Fotógrafo . exposição Coisa Real Por Dentro

fotógrafo e autor independente, projetos colaborativos multimédia. Mestre em História de Arte – Universidade Nova de Lisboa (2010) e doutorando na área de Fotografia e Multimédia – Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa. Especializou-se na reprodução de obras de arte, trabalhando em parcerias com artistas que operam em registos diversos, instituições e publicações. Colaboração com instituições culturais sem fim lucrativos (ex. Arte Contempo, Casa das Artes de Tavira).

Muriel Piquart – Atriz, Violoncelista, Animadora Cultural – performance Entre-Tanto

Após estudos de matemática especializada e de jornalismo, Muriel Piquart encontra a sua voz no ofício de atriz nómada. Pratica-o, desde há trinta anos, errando pelo mundo, acompanhada pelo seu violoncelo e pelos seus cadernos de viagem. Transpõe, traduz, transforma os textos em voz e vice-versa, enquanto impenitente apaixonada das palavras.