AS PESSOAS NÃO FAZEM AS VIAGENS, AS VIAGENS É QUE FAZEM AS PESSOAS

12h00 – 22h00 Gilão Restaurante exhibition of paintings by Kinga Subicka

Se imagino, vejo. Que mais faço eu se viajo? Só a fraqueza extrema da imaginação justifica que se tenha que deslocar para sentir.

 In Livro do Desassossego de Bernardo Soares

O processo de criação desta exposição teve inicio com esse texto. Não se trata de ilustrações do poema, mas sim de tomar o poema como fonte de inspiração, como o que me levou a viajar por estas imagens.

O processo de criação de exposição  “ As pessoas não fazem as viagens,as viagens é que fazem as pessoas”  teve inicio com o Livro do Desassossego por Bernardo Soares. A pintura inspira-se no livro, mas não o ilustra. Eis o texto que me levou a viajar:

Viajar? Para viajar basta existir. Vou de dia para dia, como de estação para estação, no comboio do meu corpo, ou do meu destino, debruçado sobre as ruas e as praças, sobre os gestos e os rostos, sempre iguais e sempre diferentes, como, afinal, as paisagens são.

Se imagino, vejo. Que mais faço eu se viajo? Só a fraqueza extrema da imaginação justifica que se tenha que deslocar para sentir.

«Qualquer estrada, esta mesma estrada de Entepfuhl, te levará até ao fim do mundo.» Mas o fim do mundo, desde que o mundo se consumou dando-lhe a volta, é o mesmo Entepfuhl de onde se partiu. Na realidade, o fim do mundo, como o princípio, é o nosso conceito do mundo. É em nós que as paisagens têm paisagem. Por isso, se as imagino, as crio; se as crio, são; se são, vejo-as como às outras. Para quê viajar? Em Madrid, em Berlim, na Pérsia, na China, nos Pólos ambos, onde estaria eu senão em mim mesmo, e no tipo e género das minhas sensações?

A vida é o que fazemos dela. As viagens são os viajantes. O que vemos, não é o que vemos, senão o que somos.

Kinga Subicka  . artista plástica . exposição São as viagens que fazem as pessoas…

nasceu na cidade polaca de Swinoujscie, em 1977. Terminou os estudos na Faculdade de Pintura, com pós-gradução na Academia de Belas Artes de Cracóvia. Frequentou Estudos Culturais na Faculdade de Filosofia. Foi professora de desenho e pintura na Escola de Artes Visuais, em Szczecin. Deu aulas de pintura a estudantes de arquitetura. Deixou a Polónia em 2005. A sua consciência artística foi construída graças a encontros com outras culturas, países e pessoas. Morou na Bélgica, Grã Bretanha e Brasil. Hoje vive em Portugal e está representada em várias coleções privadas.