CANCELADO 10 ANOS SEM BARTOLOMEU: A MÚSICA E A POESIA NA SUA OBRA

Casa das Artes de Tavira apresenta

Exposição de gravura e desenho de Bartolomeu Cid dos Santos. curadoria de Manuel Augusto de Araújo

Casa das Artes de Tavira  14 a 31 de Outubro 18h00 às 21h00

… a poesia de Álvaro de Campos teve uma enorme influência nas minhas gravuras assim como a música de Schubert …

 Bartolomeu Cid dos Santos  em entrevista a Nuno Barreto em Macau, 1989

Bartolomeu fez seu Serviço Militar em Tavira em 1951. Numa livraria da cidade comprou as Obras Completas de Álvaro de Campos e pela primeira vez leu a Ode Marítima que inspirou algumas de suas obras.  Nos últimos anos de vida criou um atelier de gravura em Tavira para continuar a trabalhar e a ensinar. Faleceu em Londres mas a seu pedido, teve as suas cinzas lançadas ao Rio Gilão em Tavira, já la se vão 10 anos.

Na obra de Bartolomeu Cid dos Santos a acumulação de referências a múltiplos saberes é uma constante, com ênfase na literatura e na música. Borges é a origem da longa série de esferas e labirintos, Fernando Pessoa é representado nos seus heterónimos em diálogo entre si ou aparece no retrato de Cesário Verde enquanto Álvaro de Campos, o heterónimo mais referido,  para se descobrir que é Ricardo Reis. Noutras gravuras há citações da Ode Marítima a dimensão metafísica  que rastreia as  imagens físicas. A música é a outra grande presença na sua obra, nomeadamente Winterreise de Schubert, uma viagem solitária e desolada numa noite de inverno em 24 canções que Bartolomeu ilustrou. Duas exposições a ser apoiadas por visitas guiadas e pela audição de poemas e de versões do Winterreise, comparando-as e questionando-as. As exposições são completadas com o documentário de Jorge Silva Melo, Por Terras Devastadas, sobre Bartolomeu e A Biblioteca, de Marco Martins sobre a Estação de Entrecampos.

Manuel Augusto de Araújo

Bartolomeu Cid dos Santos, (1931 – 2008)

Estudou na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa e a partir de 1956 em Londres, na Slade School of Fine Arts, com Anthony Gross. Foi lá professor de gravura. Foi membro da Royal Society of Painter Printmakers. Ensinou também na Universidade de Londres, na Universidade de Wisconsin, em Madison, na Konstkollan Umea, Suécia, no National College of Art em Lahore, Paquistão e na Academia de Artes Visuais de Macau. Fez seu Serviço Militar em Tavira em 1951. Numa pequena livraria da cidade encontrou as Obras Completas de Álvaro de Campos e pela primeira vez leu a Ode Marítima que inspirou algumas de suas obras.  Nos últimos anos de vida criou um atelier de gravura em Tavira para continuar a trabalhar e a ensinar. Faleceu em Londres mas a seu pedido, teve as suas cinzas lançadas ao Rio Gilão em Tavira.

Manuel Augusto de Araújo

estudou arquitetura na ESBAL, trabalhou no atelier Conceição, Silva, na Oficina de Arquitetura, projectOblíquo, GIMA. Foi um dos fundadores da Casa das Artes de Tavira, onde organizou inúmeras exposições, atividade que também exerceu noutras galerias pelo país. Foi presidente da OBS, Oficina Bartolomeu dos Santos. Durante mais de dez anos, até à extinção do Departamento de Belas-Artes, foi membro de júris de atribuição de bolsas na Fundação Gulbenkian. Foi assessor para a cultura na CM de Grândola, atualmente exerce a mesma função na CMSetúbal. Desde os anos 70 colabora em vários órgãos de comunicação social, sobre artes visuais e arquitetura.